top of page

Concessão da Ferrovia Senador Vicente Vuolo pode ser anulada caso empresa a RUMO não cumpra contrato



Com a presença maciça de representantes de várias entidades do setor produtivo e de lideranças comunitárias, a aguardada Audiência Pública para discutir sobre o avanço dos trilhos para Cuiabá da Ferrovia Senador Vicente Emílio Vuolo com a Rumo Logística, empresa responsável pela construção de toda a via férrea, não teve um resultado satisfatório, na opinião daqueles que desejam ver a ferrovia funcionando na capital.

O secretário municipal de Agricultura, Trabalho e Desenvolvimento Econômico e presidente do Fórum Pró-Ferrovia, Francisco Vuolo afirmou que a Audiência não atingiu ao objetivo proposto e mostrou-se decepcionado com a ausência da diretoria da Rumo Logística. “As falas dos gerentes de coordenadores técnicos que se manifestaram pela empresa foram exclusivamente técnicas. Em relação ao cumprimento do contrato que prevê até 2025 a ferrovia para Cuiabá, a Rumo não se manifestou de forma concreta, a não ser dizendo que até 2026 estaria chegando a Campo Verde. Em relação às licenças ambientais, disseram que existe uma possibilidade que a solicitação da licença para Cuiabá seja feita no ano que vem. Essa situação é muito aquém daquilo que a gente esperava, um desrespeito a essa Casa de Leis, tendo em vista que o requerimento foi solicitado por oito deputados”, criticou reforçando a preocupação da gestão Emanuel Pinheiro com o desenvolvimento da cidade.

Visivelmente contrariado, o deputado Wilson Santos propôs a criação de uma comissão para fiscalizar o andamento da construção. “Quero deixar aqui uma sugestão. Que nós deputados façamos uma comissão junto com a sociedade civil para fazer o acompanhamento daqui para frente. Assim como esse plenário concedeu, autorizou a concessão, esse plenário pode cassar também a concessão”, comentou. A proposta foi prontamente acatada pelo presidente da mesa, deputado Julio Campos e demais presentes.

Vuolo revelou que irá convocar uma reunião junto à Ordem dos Advogados do Brasil – OAB com os integrantes do Fórum Pró-Ferrovia para fazerem uma avaliação da Audiência Pública. “Nós não somos contra a ferrovia ir para Lucas do Rio Verde, mas existe um contrato assinado com prioridade para a Cuiabá. O mesmo acontece com Campo Verde: se é importante economicamente para a empresa chegar a Campo Verde, não há problema nenhum, desde que os prazos sejam respeitados e que chegue no município ao mesmo tempo que chegue a Cuiabá. Esses entendimentos quem tem que explicar é a diretoria da Rumo Logística e a sua ausência aqui sem dúvida alguma deixou esse ponto de interrogação na cabeça de todos nós”, concluiu.

コメント


Em Destaque
Notícias da Ferrovia
Search By Tags
Nenhum tag.
Follow Us
  • Facebook Classic
  • Twitter Classic
  • Google Classic
bottom of page