Senadores de Mato Grosso defendem trilhos até Cuiabá


A bancada de Mato Grosso no Senado Federal fechou questão em torno da necessidade de extensão da ferrovia Ferronorte até a cidade de Cuiabá. Atualmente, os trilhos do empreendimento – que liga Mato Grosso ao Porto de Santos, em São Paulo – se encontram em Rondonópolis, no Sul do Estado. Nesta terça-feira, 26, os senadores Wellington Fagundes (PR), Jayme Campos (DEM) e Selma Arruda (PSL) pediram que o ministro Tarcísio Gomes de Freitas inclua a ferrovia como uma das prioridades do Ministério da Infraestrutura.

Além da Ferronorte, as diretrizes e planos do Ministério em relação a rodovias, ferrovias, aeroportos e obras públicas, apresentadas pelo ministro durante audiência na Comissão de Infraestrutura do Senado, contemplam Mato Grosso com as ferrovias Ferrogrão, ligando Sinop a Miritituba, no Pará, e a Ferrovia de Integração do Centro Oeste (FICO), entre Água Boa e Campinorte, em Goiás, na extensão da Ferrovia Norte-Sul.

Vice-presidente da CI, Wellington Fagundes ressaltou que Mato Grosso produz muito, e com qualidade, mas está distante dos portos. Disse ainda que o Estado, por causa disso, “tem entusiasmo com tudo que diz respeito à infraestrutura” e que os esforços não se concentram apenas na implantação da FICO ou na Ferrogrão. “Temos que avançar. Sair de Rondonópolis até Cuiabá, indo ao Norte com a Ferrogrão e com a FICO” - ele destacou, ao se dirigir ao ministro e defender também uma maior segurança jurídica aos investimentos.

Jayme Campos, por sua vez, enfatizou que a escassez de recursos para investimentos no país atinge não só o setor de transportes, mas todas as áreas, o que mostra a importância de parcerias e investimentos privados. Segundo ele, a chegada dos trilhos da Ferronorte até Cuiabá “é um sonho de todos os mato-grossenses”. Para ele, a ferrovia é fundamental para a economia do Estado e para a região onde se localiza a Capital. “Havia muita expectativa com essa ferrovia para diminuir valores” - lembrou, ao alertar que a inconclusão do projeto pode transformar a região do Vale do Rio Cuiabá em “um bolsão de miséria”.

Assim como Wellington e Jayme, a senadora Selma cobrou do ministro a extensão, até Cuiabá, da ferrovia que chega a Rondonópolis. Para os parlamentares, esse trecho poderá fazer diferença significativa para o Estado e para o escoamento da produção agropecuária. Os três senadores também cobraram do ministro uma posição sobre possível extinção da VALEC Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. Freitas disse que não existe uma decisão sobre esse assunto.

A reunião durou mais de três horas e diversos parlamentares questionaram o ministro, principalmente em relação às demandas de seus respectivos Estados, como a pavimentação, duplicação ou restauração de rodovias federais.

O ministro confirmou que está previsto para 15 de março o leilão de concessão, por 30 anos, de 12 aeroportos, divididos em três blocos - Mato Grosso tem 4 aeroportos no pacote: Sinop, Alta Floresta, Rondonópolis e Várzea Grande, cidade da região metropolitana de Cuiabá. No Nordeste serão 6 e no Sudeste 2, completando o edital de leilão.

Em sua apresentação, o ministro informou que até 2020 haverá leilões para concessão à iniciativa privada de trechos da BR-163, ligando Sinop a Miritituba, no Pará. Ele explicou que essa parceria será curta, de no máximo 15 anos, até que a ferrovia Ferrogrão seja implantada. As maiores tradings que operam no Brasil já manifestaram interesse em realizar os investimentos para sua implantação.


Em Destaque
Notícias da Ferrovia
Search By Tags
Nenhum tag.
Follow Us
  • Facebook Classic
  • Twitter Classic
  • Google Classic